Sofia Guilherme

Sofia Guilherme. 42 anos. 2 filhas, a Margarida (9 anos) e a Maria (4 anos). Curiosamente, afastou-se cedo das áreas que estudam o ser humano. Não por falta de gosto, mas por um pragmatismo crescente. Formou-se em Ensino de Biologia e Geologia, e “perceber” sempre foi o seu nome do meio. Assim que se proporcionou, enveredou pela investigação em Biologia, sem dar tréguas até ao dia de hoje. Começou num mestrado em Toxicologia, e foi no Doutoramento em Biologia que deu largas à sua veia exploradora. Em paralelo, o gosto por viajar, por conhecer, por vivenciar! As pessoas, o seu mundo e a inter-relação, coloriam (e preenchiam) o modo de viver a vida. A Biologia assemelhava cada vez mais a algo para além de meras respostas fisiológicas. Antes dos 40 anos, assim como por meio de uma epifania, resolveu fazer as pazes com a Filosofia (uma relação complicada de adolescência), tornar-se uma pensadora e virar-se para as pessoas. Talvez por ser filha única, teve sempre a necessidade de se ligar aos outros. A curiosidade pelo comportamento do outro, sempre de mão dada com a conexão, fez com que, durante muito tempo, fosse “apenas” uma boa conversadora. Apesar desta característica ser uma constante na vida, não tem memória de ter sido uma hipótese a considerar aquando da escolha de uma carreira. À medida que a maturidade foi aumentando, foi também aflorando o prazer que sentia nestas conversas, desenvolvendo-se em paralelo o gosto (a necessidade, mais concretamente) de perceber os processos e mecanismos por detrás do pensamento e suas implicações. Aparece a PNL, naturalmente surge o Coaching, e tudo se encaixa. Apaixonam-na as emoções (sejam elas quais forem), porque as vê como uma ponte para quem a pessoa realmente é, na sua essência. E, por isso, gosta de se definir como “Investigadora de Emoções”. Ajudar as pessoas a autoconhecerem-se, de um modo progressivo e alinhado, transformou-se numa missão. A sua missão.